Backup: Cuide bem do seus arquivos – Parte 3

Para fechar a série sobre como cuidar bem dos seus arquivos, agora que já está explicado o básico de backup, gostaria de convidar o leitor a fazer um pequeno exercício de imaginação.

Vamos imaginar que em nosso computador esteja programado um backup para ser executado todos os dias a meia noite. E vamos dizer que as 22h00 o seu HD apresentou um defeito, e você perdeu tudo o que havia nele. Por sorte há um backup e assim que o computador é consertado, você o restaura. O problema é que o trabalho daquele dia foi todo perdido, pois ainda não havia sido feito o backup as 00h00.

Sendo assim, no computador novo o backup é programado para rodar 4 vezes ao dia. Meia noite, seis da manhã, meio dia e seis da tarde. Assim se as 22h00 o computador estragar de novo, o prejuízo será somente 4 horas do seu trabalho, o que já é bem mais reconfortante. Agora vamos imaginar que esse backup fosse agendado para ser feito a cada 5 minutos. Seria muito bom, pois praticamente não haveria perda de informações.

Como já foi abordado nos artigos anteriores, um backup tão frequente tem seus problemas, e normalmente uma frequência tão alta está acompanhada de mais problemas do que soluções. Mas mesmo assim, numa situação ideal, não seria maravilhoso que assim que o botão de Salvar fosse apertado, um backup fosse executado no mesmo instante?

Isso na verdade existe, de certa forma. Há uma tecnologia chamada RAID (Redundant Array of Independent Disks) que faz mais ou menos isso. Existem vários tipos de RAID, identificados por números, mas para efeito de simplicidade, vamos ficar só com o RAID 1 e RAID 5.

O RAID 1 é também conhecido como “espelhamento”, e é algo bem simples de se compreender. Imagine que seu computador tenha dois HDs idênticos, ao invés de apenas um como acontece normalmente. E imagine que qualquer coisa salva no primeiro HD seja automaticamente copiada, no mesmo instante, para o segundo, mantendo as informações em ambos idênticas. Isso é um RAID 1 ou espelhamento. Com isso, caso um dos discos falhe, o outro terá uma cópia idêntica a do HD defeituoso, e nada será perdido, nem um segundo de seu trabalho. Em alguns computadores destinados a serem servidores, uma pane desse tipo normalmente apenas faz acender uma luz vermelha no painel e gera uma mensagem de erro em algum lugar. Quando o disco defeituoso é reparado, o espelho é refeito, com os dados copiados do disco que sobrou para o novo disco, restaurando a ordem das coisas.

Como nada vem de graça, isso tem um preço. O mais óbvio é que estará sendo gasto dinheiro em dois discos e só teremos o espaço equivalente a um deles. Além disso, a velocidade da gravação de arquivos fica penalizada, já que a cada operação de gravação, o computador precisa gravar em dois lugares diferentes. Porém, além da segurança, há uma vantagem: Como os arquivos estão repetidos em dois locais diferentes, a leitura deles é mais rápida, já que o computador pode ler dados diferentes ao mesmo tempo, usando os dois discos.

Já o RAID 5 é um pouco mais complexo, e para ser implementado precisa de, no mínimo, 3 discos. Embora não haja limite téorico máximo, na prática é bom se manter em até 5 discos. O funcionamento desse RAID consiste em dividir os dados em blocos, e grava-los nos discos, juntamente com um bloco de paridade. A cada conjunto de blocos, o disco onde a paridade é gravada é alternado, espalhando blocos de informações comuns e paridade em todos os discos. Essa paridade é uma espécie de soma dos demais blocos, que no evento da falha de um dos discos, pode ser usada, junto com a informação dos discos restantes, para recuperar a informação.

Talvez seja mais fácil visualizar o funcionamento através de uma imagem: http://en.wikipedia.org/wiki/File:RAID_5.svg

A vantagem do RAID 5 sobre o RAID 1 é que menos espaço é desperdiçado. Apenas o equivalente a um dos discos é usado para a proteção dos dados. Sendo assim com 4 HDs em RAID 5, o espaço para dados é o equivalente a 3 HDs. Com 5 deles o espaço é o mesmo de 4 discos. Lógico, há desvantagens, e uma delas é um desempenho baixo na gravação, uma vez que além de gravar em todos os discos, o computador ainda precisa fazer o calculo desse bloco de paridade. Outra desvantagem é que o RAID 5 só é resistente a falha em um dos discos. Caso mais de um disco falhe, os dados de todos são perdidos. por não haver informação suficiente para reconstruir os arquivos.

Mas afinal, é preciso ter um RAID? Não existe resposta definitiva, mas um bom parâmetro é orçar o custo de implementação, e o custo que resulta em uma perda de dados. Em muitos casos vale a pena.

Para finalizar, é muito importante lembrar que um RAID não é uma desculpa para não ter backup, é apenas um nível a mais de proteção. Mesmo utilizando essa tecnologia, um backup convencional ainda é indispensável!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s