E nem só de megapixels vive o homem

O processo fica tão técnico, insípido, pasteurizado que fica complicado chamar de arte.
Por isso, de vez em quando, gosto de tirar poeira do armário, pegar minha Olympus Trip 35 velha de guerra, e sair, fotografando, alheio de todas os settings, presets, RAWs, CFs, SDs, e qualquer sopa de letrinha que temos por ai. Sair de casa apenas com a intenção de registrar um momento, guardar naquela caixinha mágica um instante, que por algum motivo me pareceu importante.
 

Luiz20fellipe20carneiro20-20_m

Deixe de se importar com ruído. O grão faz parte do processo e é legal afinal! Deixe de pensar se o estabilizador vai dar conta da velocidade. Alias, a velocidade? Temos duas. A abertura, não sei, um fotômetro de selênio que sabe lá Deus se ainda funciona – está no lugar a mais de 30 anos – decidiu qual seria. Concentre-se no seu assunto. O acompanhe, o enquadre e dispare. Você vai entender quando fizer!